Lençóis: em menos de um mês, mais de 100 receberam tratamento para esquistossomose


Kl levantamento divulgado pela Secretaria de Saúde do estado (Sesab) indicou que, desde o dia 31 de maio, 105 pessoas receberam tratamento para esquistossomose em Remanso e São José, no município de Lençóis, na Chapada Diamantina. A Sesab está na cidade desde o início do mês passado, quando turistas contraíram a doença.

No último ano, 532 casos da doença foram notificados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e outros 2.853 pela rede de atenção básica.

Ainda de acordo com a Sesab, o levantamento coproscópico — que é o diagnóstico realizado pelo exame parasitológico das fezes — foi concluído em 20 localidades do município. A atividade está em andamento em outras cinco localidades.



Mutirão de saúde leva atendimento médico ao distrito de Catuaba em Bonito


O vereador Marcinho da Saúde, com o apoio da prefeitura municipal de Bonito e do prefeito Reinan de Lourinho, realiza neste domingo (21/05) um mutirão de saúde para a população de Catuaba e região.

De acordo com o vereador, que anunciou a ação no Facebook, serão oferecidos serviços médicos e atendimento com a equipe médica do hospital regional de Irecê. Participarão o ortopedista, Dr. Misterbrando; o cardiologista, Dr. Denivan; o ginecologista, Dr. Vando, que também realiza ultrassonografia; o neurologista, Dr. Weudes; e o urologista, Dr. Luis Henrique, que faz avaliação de rins, próstata e toque retal.

O mutirão contará com consultas e exames de valores acessíveis ao público. O preço das consultas e do eletroencefalograma fica por R$80, já o exame de eletrocardiograma vai custar R$35 e as ultrassonografias serão R$60.

A marcação pode ser feita com o próprio Marcinho, na câmara de vereadores, no térreo da clínica de Zé Galego dentista, na clínica de Raio-x Imagem ou no PSF de Catuaba. Não será necessária requisição médica.



4 erros na hora de escolher maquiagem para pele oleosa: Descubra o que você pode estar fazendo errado


Quem sofre com oleosidade excessiva na pele conhece o drama: você caprichou na produção e, poucas horas depois, o look já está todo escorrido! Isso acontece com mais frequência do você pode pensar, mas muitas vezes, o problema é causado precisamente pelo uso dos produtos errados. Confira os 4 erros mais comuns na hora de escolher maquiagem!
1. Usar pó como base: Por mais inofensivo que pareça, o hábito de usar pó como base não é nem de longe a opção ideal. O primeiro motivo é pelo efeito pesado que ele deixa na make, correndo o risco de “craquelar” nas linhas de expressão ao longo do dia por conta da junção das partículas de pó com o óleo da pele. O segundo é que algumas fórmulas causam o entupimento dos poros, causando os tão indesejados cravos e espinhas. O ideal é apostar na fórmulas líquidas, que se espalham de forma mais uniforme e são absorvidas pela pele, sem craquelar com o passar das horas.
2. Usar bases muito hidratantes: É verdade que a pele oleosa também precisa de hidratação, mas usar uma base muito cremosa e hidratante não é o ideal. Esses produtos normalmente dão um aspecto ainda mais brilhoso à pele, além de terem tendência a escorrer ao longo do dia. Se você vinha cometendo esse erro até aqui, a partir de agora vale apostar em bases que oferecem um acabamento matte, sem pesar.
3. Recorrer ao blush em creme: Quem tem os poros mais dilatados, em geral, deve sempre preferir produtos em pó em vez dos que têm textura cremosa. Isso vale para o blush em creme, que apesar de deixar um ar mais natural em quem tem pele seca, pode fazer o efeito contrário na pele oleosa. Por ter uma consistência mais grossa e hidratante, ele deixa a região com aspecto pesado e “grudento”.
4. Escolher um lápis de olho que não seja a prova d’água: Não tem nada pior do que se olhar no espelho e perceber que o lápis escorreu e borrou toda a região dos olhos! Isso é bastante comum para quem lida diariamente com a oleosidade no rosto, mas principalmente para aquelas que não sabem que os produtos à prova d’água para essa região podem ser grandes aliados. A dica é investir neles e também em alguns truques que garantam mais resistência ao delineado.(Voz da Bahia)



FAB transporta médicos voluntários para atendimento em Irecê e cidades vizinhas


Profissionais de saúde da Organização Voluntários do Sertão farão consultas gratuitas, entre os dias 15 e 23 de abril, em Irecê, centro norte da Bahia.
O projeto da organização sem fins lucrativos entra em sua 17ª edição e contará com mais de 300 voluntários. Estão previstos atendimentos nas áreas de clínica geral, pediatria, ginecologia, ortopedia, urologia, proctologia, psicologia, oftalmologia, gastroenterologia, cardiologia, odontologia e enfermagem. A expectativa é realizar cerca de 25 mil atendimentos de pacientes de Irecê e de 19 municípios vizinhos.
Transporte
Os profissionais serão transportados, neste sábado (15), da cidade de Campinas, interior de São Paulo, rumo a Salvador (BA), pelo boeing 767, do Esquadrão Corsário, da Força Aérea Brasileira (FAB)
“Estamos transportando voluntários que prestarão apoio a pessoas que vivem mais distantes dos grandes centros e possuem dificuldade de assistência médica. Este voo irá reduzir a distância e ajudar a população”, ressalta o Major Bruno Araújo Rangel, comandante da aeronave.
“Esta é a oitava vez que contamos com o transporte da FAB. Esse apoio é fundamental para a concretização da nossa missão, pois proporciona rapidez e agilidade no transporte dos médicos”, explica Doreedson Ribeiro Pereira, diretor-presidente da ONG Voluntários do Sertão. (FAB)



Na luta pela vida, jovem ireceense dá lição de fé e otimismo


“Será se beleza está somente no sorriso, na pele, no externo? Eu há um tempo atrás achei que sim! Mas aí, DEUS veio me mostrando que além de tudo isso, existia algo ainda mais fascinante… O Amor, o cuidado que as pessoas que a gente gosta e também gostam da gente, tem por nós”. As palavras são da jovem Jaciara Dourado, 26 anos, estudante universitária de Irecê diagnosticada com Leucemia Linfoide Aguda (LLA), um tipo de câncer que atinge os leucócitos (células brancas do sangue) e que começa na medula óssea. “Tudo começou com um cansaço inexplicável, muito sono… O cansaço chegava a doer. Logo depois surgiram umas manchinhas vermelhas nas pernas (…) Depois umas manchas grandes roxas parecendo pancadas”, relembra Jaciara, em conversa com a reportagem.

Os primeiros sintomas surgiram em janeiro deste ano, quando ela chegou a ser internada no Hospital Regional de Irecê, onde recebeu “oito bolsas de sangue e 14 de plaquetas”. Ainda sem diagnostico, foi transferida para o Hospital Roberto Santos, em Salvador, lá obteve a confirmação definitiva do LLA. “Só então fui regulada para o Hospital Aristides Maltez”, relembra. O tratamento teve início logo em seguida, com sessões de quimioterapia. A expectativa é de que ela seja submetida a quatro ciclos para destruir as células malignas. “Estou confiante que não precise de transplante de medula… Espero reagir bem, assim como no primeiro ciclo, que não tive reações”.

Internada há cerca de 60 dias, Jaciara Dourado tem usado o Facebook para compartilhar informações sobre o tratamento e para incentivar as pessoas a doarem sangue e medula óssea. Além disso, ela também quer mostrar a outras pessoas que lutam contra o câncer que a coragem e o amor são elementos essenciais na luta pela vida. “Todos nós estamos vulneráveis… Mas, temos que enfrentar isso”, afirma, com lucidez e ternura, a jovem que após concluir o tratamento e ficar completamente curada pretende ser voluntária em hospital que trate de crianças com câncer. “Quero ajudar de alguma forma”. (Sertão Baiano)



80% dos brasileiros não conseguem manter uma alimentação saudável


Conseguir administrar todos os compromissos, gerenciar o estresse e ainda ter saúde e qualidade de vida é desejo de grande parte dos brasileiros. Dados da pesquisa “Barreiras para uma Vida Saudável”, realizada online pelo IBOPE CONECTA em parceria com Centrum Vitamints, apontam que, apesar de mais de 80% não ter uma alimentação regrada, 95% dos entrevistados estão dispostos a mudar pequenos hábitos em sua rotina para ser mais saudáveis, no entanto, 1/3 acha difícil conseguir. A pesquisa foi elaborada com o intuito de entender o estilo de vida dos brasileiros, especialmente com relação à alimentação, e avaliar a predisposição das pessoas às mudanças de hábitos para terem mais saúde e bem-estar. Segundo os resultados obtidos, dois em cada três brasileiros, afirmam ter dias agitados ou desregrados. Quando questionados sobre como é a sua alimentação nestes dias, 77% dizem que buscam alimentos rápidos e práticos, destes 44% consomem o que estiver disponível e apenas 33% afirmam se preocupar em comer frutas, verduras e legumes. “Ao procurarem alimentos rápidos, as pessoas nem sempre escolhem de forma correta o que vão comer. Um exemplo disso é quando chegam a um restaurante e pedem o que já está pronto e disponível no balcão, como um salgado, achando que esta é a opção mais rápida. Se elas gastarem um minuto a mais para olhar o cardápio, verão que há opções mais saudáveis que também podem ser rápidas”, explica a Nutricionista Andrea Forlenza. Quando perguntados sobre quais atitudes mudariam no dia a dia para ter mais saúde e bem estar, em primeiro lugar, 72% dos entrevistados afirmam que gostariam de fazer mais exercícios e, em segundo, 62% dizem que incluiriam mais frutas e verduras na alimentação. “Grande parte das pessoas tem dias muito atribulados e não consegue manter uma alimentação regrada o tempo todo. Neste contexto, pequenas mudanças na rotina podem impactar positivamente a saúde destas pessoas”, afirma Forlenza. Dormir melhor aparece em terceiro lugar, com 50% das respostas. De acordo com a nutricionista, os grandes obstáculos para adquirir hábitos saudáveis são as metas inatingíveis. “É comum os pacientes chegarem para a consulta com ideias radicais de mudanças na alimentação ou prática de exercícios que não são reais e, quando percebem que não irão cumpri-las, acabam se frustrando e desistindo”, diz Andrea. Fazer pequenas mudanças na rotina diária pode ser o caminho para uma efetiva melhora na qualidade de vida, reforça Andrea: “Levar para o lanche frutas fáceis de consumir, como banana, maçã ou pera; incluir pelo menos uma verdura, legume ou fruta nas principais refeições; ou ainda substituir refrigerantes por sucos naturais são atitudes simples que podem auxiliar neste processo de reeducação”. Toda pequena atitude saudável conta. “Uma mudança simples e prática que também pode complementar a alimentação e equilibrar as quantidades de vitaminas e minerais necessárias para o bom funcionamento do organismo é o uso de multivitamínicos”, completa Andrea Forlenza.(Voz da Bahia)



Vacina contra gripe vai estar à disposição dos grupos elegíveis a partir do dia 20


A 19ª campanha nacional de vacinação contra a gripe será realizada de 17 de abril a 26 de maio. Entretanto, até o dia 20 de abril apenas os trabalhadores da área da saúde serão imunizados contra a doença. O público alvo da vacinação terá acesso ao imunizante a partir do dia 24 de abril. Podem receber a dose única os grupos prioritários: crianças de seis meses a cinco anos e idosos. Mais gestantes, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis ou outras doenças que comprometam suas imunidades. Estes grupos devem ser vacinados todos os anos. Terão acesso à vacina as puérperas – até 45 dias após o parto, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade que estejam sob medidas socioeducativas, população carcerária e funcionários do sistema prisional. Neste ano foram incluídos os professores das redes pública e privada. Este grupo deverá se dirigir à Secretaria de Saúde nos dias 22 e 29 de abril, e em 6, 13 e 20 de maio – dias de sábado. A meta da Secretaria da Saúde é, pelo menos, vacinar até 90% de cada um dos grupos alvos. O dia de mobilização nacional está marcado para o dia 13 de maio(Voz da Bahia)



Óleo de coco não é milagroso, dizem especialistas


O óleo de coco foi alçado ao posto de alimento milagroso, deus do Olimpo e salvador da pátria. Indicado para prevenir doenças cardiovasculares e neurodegenerativas, indicado para uma infinidade de tratamentos de beleza e higiene e até para fazer a balança finalmente diminuir os ponteiros, o óleo de coco é um alimento que quase todos os adeptos de uma alimentação saudável ingerem com uma certa frequência. Contudo, o que reluz não é ouro, de acordo com os cientistas. Na semana passada, a Associação Brasileira de Nutrologia (Abran) se posicionou contra a prescrição do óleo de coco para fins de emagrecimento, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo, seguindo um posicionamento já manifestado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) e pela Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso). Em comum, todas afirmam que não existem evidências científicas que comprovem o efeito emagrecedor do óleo de coco. Contudo, não é apenas a eficácia no emagrecimento que está em cheque. Segundo as entidades, o óleo não possui ação antibacteriana, nem estudos que comprovem sua eficácia na função cerebral e como protetor contra doenças neurodegenerativas. “De forma muito prática, é possível dizer que ele serve para nada”, diz Fábio Trujilho, presidente da Sbem, em entrevista ao jornal. “Hoje não há suporte científico para dizer que ele traz qualquer benefício”, afirma Ana Lúcia dos Anjos, pesquisadora da faculdade de medicina da Unesp de Botucatu e médica nutróloga da Abran. De acordo com Maria Edna de Melo, presidente da Abeso, o óleo de coco não passa de um modismo. As entidades afirmam que, no futuro, com mais evidências científicas, o posicionamento pode ser mudado. Por ser rico em gordura saturada, o óleo de coco pode, inclusive, fazer mal a determinadas pessoas ou quando ingerido sem acompanhamento médico. A gordura saturada é, normalmente, associada a doenças cardiovasculares e aumento do colesterol. Para quem está na dúvida sobre qual óleo usar, Clarissa Fujiwara, pesquisadora do Hospital das Clínicas da faculdade de medicina da USP e membro da Abeso afirma que o azeite de oliva é a mellhor opção, por ter consenso entre os profissionais de saúde.



Medicamentos terão preços reajustados em até 4,76%


Os preços dos remédios deverão subir em até 4,76% após uma resolução do Conselho de Ministros da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) autorizar o reajuste anual, que pode variar entre 1,36% a 4,76%. O Sindicato da Indústria Farmacêutica (Sindusfarma) informou, por meio de nota, que os índices de reajuste não repõem a inflação passada. “Do ponto de vista da indústria farmacêutica, mais uma vez os índices são insuficientes para repor os custos crescentes do setor nos últimos anos”, diz a nota. O reajuste poderá ser aplicado em cerca de 19 mil medicamentos do mercado varejista brasileiro.