CLIQUE AQUI E VISITE NOSSA PÁGINA!

ANUNCIE CONOSCO!

ANUNCIE CONOSCO!

ANUNCIE CONOSCO!


7 de novembro de 2018

Filho pedala 21 dias para conhecer a mãe em Itabuna



Continua tendo repercussão nacional a história de Vanderlei Torroni, de 47 anos, que pedalou durante 21 dias e fez um percurso de dois mil km de São Paulo até Itabuna, para conhecer a mãe, Maria Carvalho, de 72 anos. Ele relatou ao programa Balanço Geral (Rede Record), da capital paulista, que fez o trajeto só para dizer: “Oi, mãe, tudo bem?”.
Mãe e filho foram separados quando garoto tinha seis meses

Vanderlei foi criado pelo pai, que morreu. Ele contou ao jornal Estadão que não sabia praticamente nada da mãe. “Apesar de saber de sua existência, acho que eu era bloqueado mentalmente em relação a qualquer sentimento, seja de saudade, amor, raiva ou mesmo curiosidade. Como nunca a tinha visto ou sequer conversado, era como se ela não existisse’, relatou.

A história foi tornada pública agora, mas o encontro entre mãe e filho se deu no início do ano. Ele também teve a oportunidade de conhecer tios, primos e pretende voltar a Itabuna sempre que possível.

A mãe, que mora no bairro Parque Verde, foi separada do então garoto quando ele tinha seis meses. “Ela era uma menina pobre do interior da Bahia e não podia ir contra uma grande família de São Paulo. Ela disse que naquela época a Justiça era para os homens e ela não pôde fazer nada. [pausa] Família é tudo nessa vida; quem tem pai, mãe, irmãos pra conhecer não espere o tempo passar, porque amanhã ou depois eles podem faltar e você pode se arrepender”, desabafou, em entrevista ao Balanço Geral.

Antes de expor as recordações, a mãe pôde abraçá-lo e constatou: “O amor supera barreiras e distâncias”. Foi tudo que ele precisava ouvir, porque sentia uma lacuna por nunca ter tido carinho daquela que lhe deu a vida.

Caminho pro abraço

Como detalhou o Estadão, foi a mulher de Vanderlei que o convenceu a mudar a situação: “ela me fez pensar no que poderia passar na cabeça de minha mãe. Isso mexeu comigo e me fez refletir sobre o sofrimento que a distância deveria ter sido para ela. A partir daí decidi ir ao seu encontro”.

Ao descobrir o telefone de dona Maria, fez os primeiros contatos por mensagem de texto. “A princípio ela estava muito desconfiada, resistente e temerosa. Não falava o local exato em que morava e não prolongava muito nossas conversas. Era monossilábica’.

Apesar das poucas informações e a aparente frieza da mãe, Vanderlei seguiu com o projeto da viagem. Daí, montou um roteiro, comprou acessórios, como bolsas e mochilas, e pegou a estrada. Foram 21 dias de pedalada pelo litoral brasileiro e algumas cidades do interior.
Diário da Bahia 

Share Button